SIC fecha 2011 com lucro de 14,6€ M

Foram apresentados esta quarta-feira os resultados de 2011 do grupo Impresa, o grupo de media que detém a SIC. 
Em 2011, perante um cenário económico cada vez mais adverso, a SIC reagiu à quebra das receitas tradicionais, com novas fontes de receitas e uma forte contenção nos custos operacionais. As receitas totais da SIC desceram 5,1%, para 164,1 M€, e os resultados antes de impostos baixaram 11,4%, para 14,6 M€, penalizados por custos com re-estruturação e acréscimos de provisões. O mercado publicitário de televisão em sinal aberto apresentou uma descida de 14% em 2011. 
As receitas publicitárias da SIC desceram menos que o mercado, com um queda de 8,5% em 2011, após uma forte retração de 20% no último trimestre do ano. No final do ano, as receitas publicitárias representaram 59,0% do total da faturação da SIC. A evolução das receitas publicitárias beneficiou dos ganhos de quota de mercado nos canais generalistas e nos canais de cabo, devido à melhoria verificada na performance dos “targets” comerciais, principalmente no horário nobre. 
O canal generalista da SIC obteve 35,8% de quota de mercado publicitário, superior em 1 ponto percentual ao valor de 2010, e no cabo reforçou a sua quota para 26,3%. 
O canal SIC terminou o ano de 2011 com uma audiência média de 22,7%, comparando com 23,4% do ano anterior. 
A SIC foi o canal generalista que menos desceu, face aos resultados de 2010, ganhando quota no conjunto dos canais generalistas. A estratégia de programação, em 2011, continuou focada em obter os melhores resultados nos “targets” comerciais (classes ABC1C2, entre os 15 e 54 anos). Esta estratégia permitiu atingir audiências nos “target’s” comerciais superiores à média da estação. No horário nobre, a SIC foi o único canal generalista a subir face a 2010. No Universo, a audiência do horário nobre subiu quase 1 ponto percentual, para 24,7%, e a audiência no target comercial subiu 0,6 pontos percentuais, para 26,3%. A programação da SIC manteve, em 2011, a sua aposta na ficção nacional. A qualidade da ficção produzida pela SIC foi reconhecida com o “Emmy” para melhor novela em 2011, entregue à novela portuguesa “Laços de Sangue”, produzida em parceria com a TV Globo. A novela “Laços de Sangue” esteve no ar até setembro de 2011, um período ligeiramente superior a 1 ano, onde obteve excelentes audiências, superiores à média da estação. A novela, que teve uma audiência média de 27,4% em 2010, registou uma subida para 28,2% em 2011, liderando o seu bloco horário. Em setembro de 2011, estreou-se a novela portuguesa “Rosa Fogo”, mantendo a SIC a sua aposta numa linha de ficção portuguesa. Da restante programação da SIC, durante 2011, é de destacar: 
  • O programa “Peso Pesado” que foi a grande aposta de entretenimento em 2011. As duas edições tiveram um assinalável sucesso. A primeira emissão teve uma audiência média de 28,9%, atingindo, com as galas de domingo, uma média de 37,4%, enquanto a segunda emissão atingiu 26,4% de audiência média. 
  • O “Jornal da Noite”, que teve uma audiência média de 24,8%, e de 26,2% no “target” comercial, continuou a registar valores acima da média da estação. 
  • As novelas brasileiras continuaram a marcar presença na SIC. A novela “Alma Gémea”, que estreou em Janeiro de 2011, foi um dos sucessos das noites da SIC, com audiências superiores a 26,6%, até Novembro de 2011. 
  • O futebol foi outra das apostas da SIC. A meia-final da liga Europa, entre o Braga e o Benfica, atingiu 53% de audiência. Alguns jogos do BWIN Cup obtiveram boas audiências, com foi o caso do Benfica-Sporting, que obteve 52% de audiência. 23,8% 24,7% 2010 2011 
As receitas de subscrição, geradas pelos canais da SIC distribuídos por cabo e satélite, em Portugal e no estrangeiro, cresceram 2,4%, em 2011, para 43,1 M€. As receitas de subscrição representaram 26,3% da facturação total da SIC. Esta subida deveu-se ao dinamismo registado no mercado de pay-tv português, com o aumento da concorrência entre as plataformas, e ao crescimento da área internacional.
Em 2011, as audiências, no conjunto dos canais temáticos da SIC, atingiram 19,3% (18,9%, em 2010), apesar do aumento do número de canais presentes nas várias plataformas. A SIC Notícias completou o 11º ano de liderança das audiências dos canais de cabo, com uma audiência média de 11,3%. O canal SIC Mulher também marcou presença no top 10 dos canais mais vistos, com audiência de 4,2%. A SIC Radical, obteve uma audiência média de 2,9%, descendo em relação a 2010. O canal SIC K celebrou o 2º aniversário e, apesar de apenas estar presente na plataforma MEO, teve uma audiência média de 0,7%, subindo em relação a 2010. Em 2011, foi também lançado um novo canal de subscrição, baseado no programa “Peso Pesado”, que esteve no ar durante a primeira emissão do programa, entre abril e julho de 2011. 
A área internacional dos canais temáticos continuou a registar um bom ritmo de crescimento e, apesar de ter sido afectada pela volatilidade do câmbio do dólar, cresceu 5,6% em 2011, e representa já 12,1% da facturação desta área, atingindo mais de 4,6 milhões de espectadores, em 10 países - Suíça, França, EUA, Canadá, Brasil, Cabo Verde, Angola, Moçambique, África do Sul e Austrália. A área de Multimédia desceu 6,9%, em 2011, para 16,8 M€. A descida é essencialmente explicada pelos valores do 1º trimestre de 2010, que estão empolados pela recta final do programa “Ídolos”, que terminou em Fevereiro de 2010, o que explica a quebra registada nos primeiros três meses de 2011. Esta descida foi, entretanto, compensada pelo bom comportamento nos 3º e 4º trimestres de 2011, que beneficiaram da renovação dos concursos que incluem “Call TV” e que estão distribuídos por vários programas ao longo do dia, bem como de programas de entretenimento, como foi o caso do “Peso Pesado”. As receitas multimédia, no 4º trimestre de 2011, subiram 32,5%. 
O ano de 2011 foi muito importante para as plataformas “online” da SIC. Foi concretizada uma grande renovação tecnológica nas plataformas de suporte à redação e de publicação dos sites, que veio permitir uma gestão centralizada de conteúdos para publicação em multi-plataforma. Por outro lado, assinalou-se o lançamento do site da SIC Notícias, com um forte enfoque no vídeo, e o investimento em projectos de grande entretenimento, com os sites “Peso Pesado”, “Laços de Sangue” e “Rosa Fogo”. Tudo isto contribuiu para um aumento substancial do tráfego dos sites, tendo o número de visitantes crescido 32,3%, em 2011. Foi um ano de crescimento em audiências e em proveitos comerciais. As outras receitas apresentaram uma subida de 5,9%, em 2011. Este aumento deveu-se à subida das receitas de televendas e dos serviços técnicos, que compensou as menores receitas de merchandising, de venda de conteúdos e de receitas não recorrentes. 
Os custos operacionais da SIC desceram 4,4%, em 2011, apesar de se ter registado um aumento dos custos com re-estruturação, para 946 mil euros, incorridos com o programa de rescisões amigáveis, lançado em maio de 2011. Sem o aumento dos custos com re-estruturação, os custos totais teriam descido 5,1%, em 2011. 
Entre as principais variações, de referir que os custos de grelha baixaram 5,9%, incluindo os custos com o canal “Peso Pesado”, os custos com multimédia caíram 25% e os custos fixos desceram 1%. Apesar da descida das receitas, o controlo de custos permitiu atenuar a queda do EBITDA, que atingiu o valor de 22,6 M€, uma descida de 9,5% em relação a 2010, e uma margem de 13,8%. A margem EBITDA, no 4º trimestre de 2011, foi de 24,9%. 
A SIC obteve resultados antes de impostos de 14,6 M€, em 2011, uma descida de 11,4% em relação aos valores de 2010.

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.