Vencer o Corpo na Grande Reportagem SIC

Este domingo, no Jornal da Noite!
João Pedro Almeida nasceu Ana Rita há 22 anos. A primeira memória de infância está associada à rejeição do corpo. Aos três anos, João Pedro pegava no terço que a avó lhe dera, e que tinha preso na bandeira da cama, e pedia para acordar rapaz na manhã seguinte. Aprendeu a viver com a frustração do milagre que nunca se concretiza. Mas a vida nunca se afirmou plena.
Cresceu a brincar com rapazes, a jogar à bola, a vestir roupas de rapaz. O rótulo de “Maria-Rapaz” passou a ser a embalagem que protegia Ana Rita do mau-estar social que um comportamento, distanciado dos padrões femininos, causava. Na escola chamavam-lhe o “Coisa”.
Nas ruas de Ourém, terra onde nasceu e sempre viveu, encaravam-no com desconfiança. Os pais demoraram tempo a habituar-se à ideia de que a filha tinha nascido num corpo errado. A mãe insistia em vestir-lhe saias, o pai deixava-a andar à solta e fechava os olhos ao problema que tinha pela frente.
Aos 14 anos, com as hormonas juvenis aos saltos, Ana Rita deixou de conseguir esperar. Percebeu que teria de vencer o corpo. A batalha começou aos 16 anos. Aos 22, já com barba, sem peito, sem útero e ovários, o corpo começa a encaixar na cabeça masculina de João Pedro. Mudou de nome, mas ainda não está plenamente livre. Falta-lhe o símbolo maior da masculinidade.
 Um trabalho de Pedro Coelho e José Silva com edição de imagem de Ricardo Sant ‘Ana e grafismo de Carla Gonçalves.
Jornalista: Pedro Coelho
Reporter de Imagem: José Silva
Edição de imagem: Ricardo Sant ‘Ana
Grafismo:Carla Gonçalves
Pós-produção áudio: Octaviano Rodrigues
Produção: Isabel Mendonça
Coordenação: Cândida Pinto
Direcção: Alcides Vieira.

Comentários

Anónimo disse…
Eu achei esta reportagem muito emocionante. Pois não deve ser nada fácil um jovem se confrontar com uma situação destas na sua vida. Não se sentir bem consigo próprio deve ser horrível,não poder fazer as coisas de que se gosta porque se vive num corpo que não nos pertence, o que também afecta os relacionamentos com as pessoas de quem mais se ama.
Devo dizer também que este jovem teve muita força e persistência para continuar a lutar. Espero que este consiga completar o seu processo de transformação e seja realmente um rapaz como outro qualquer.
Parabéns aos realizadores desta grande reportagem.
João Mateus disse…
essa grande reportagem vai ser repetida na sic noticias? se sim quando?
não vi toda e gostaria de ver.
Obrigado;
Joao Mateus
Anónimo disse…
Admirável a força e coragem tanto física como emocional, deste jovem.
Bem haja.
Sc
Anónimo disse…
Eu vivo também na Figueira da foz e Vi a grande reportagem com João Pedro Almeida e sei muito bem o que é sentir-se confuso e até mesmo por vezes sentir raiva do nosso corpo, eu mesma sou intersexual por isso sei o que o João Pedro sofre sozinho no seu interior.Por isso admiro muito a sua coragem e determinação para seguir com a sua vida e ser feliz com o seu verdadeiro corpo, e não ligar o que as pessoas comentam, desejo-lhe toda a felicidade do Mundo. (uma admiradora da Figueira da foz)