DANCIN' DAYS

estreia SEGUNDA na SIC a novela onde vale a pena sonhar!

ÍDOLOS

Domingo temos músicas do século XXI com os 10 finalistas

BOA TARDE

O talk show das tardes da SIC

ROSA FOGO

Assiste à novela no horário nobre da SIC

FINA ESTAMPA

Já estreou na SIC!

29 de fevereiro de 2012

O "Bairro" do Meu Pequeno Mundo

Amanhã no Jornal da Noite
O Bairro Alto é um dos bairros mais conhecidos do país. Nenhum outro é tão boémio. Ao fim-de-semana, mais de 20 mil pessoas enchem as suas ruas. Mas o Bairro é muito mais do que aquilo que, habitualmente, faz notícia. Nesta calçada lisboeta cabe o mundo inteiro – lojas na moda, velhos moradores, bares famosos e segredos bem guardados. Nelson quase nasceu nas marchas, João é mágico, Palmira espreita a “loucura” pela janela. E os periquitos do casal Lima viajam de comboio até à aldeia.
Sabia que até um convento há no Bairro Alto? 

Autoria: Ana Sofia Fonseca
Reportagem: Ana Sofia Fonseca e Paulo Cepa (imagem) 
Edição de imagem: Luís Gonçalves 
Grafismo: Eduardo Militão 
Pós-produção áudio: Edgar Keats e Octaviano Rodrigues 
Produção: Sónia Ricardo 
Direcção de Informação: Alcides Vieira

Fernando Pires em Dancin' Days

Foi Bruno em Queridoa Professor, Vasco em Chiquititas e Henrique em Rebelde Way foram alguns dos seus trabalhos para o canal nos últimos 10 anos. 
Fernando Pires está de volta à SIC agora para se juntar ao elenco de Dancin’ Days, a próxima co-produção do canal que será escrita por Pedro Lopes. A novidade é lançada na edição desta semana da revista TVMais.

Rogério Samora considera final uma coragem da SIC

É numa entrevista à TVMais que Rogério Samora confessa que “não estava à espera” do final que a sua personagem teve em Rosa Fogo”. Esta foi a primeira novela do actor no canal depois da polémica transferência da estação de Queluz para Carnaxide. 
O actor considera mesmo que “é um final com coragem por parte da SIC e do grupo de argumentistas” liderado por Patrícia Muller. 
Rogério que interpreta José da Maia vai tirar agora umas mini-férias e na “segunda quizena de Março” irá ter novos compromissos profissionais.

SIC Notícias com mais de 100 000 "Gostos" no Facebook

A SIC Notícias atingiu nesta quarta-feira a marca dos 100 mil gostos na sua página oficial do Facebook! O canal líder do cabo e líder na Informação marca presença na rede social mais conhecida da actualidade e hoje atingiu os 100 000 “Gostos”.


Para se juntar ao canal no Facebook basta clicar AQUI

Andreia Dinis na Hora Rosa Fogo

As gravações de Rosa Fogo já terminaram mas as iniciativas para aproximar os espectadores dos actores continuam na Hora Facebook Rosa Fogo. Esta semana, já amanhã, vamos ter a actriz que dá vida a Anita. 
Andreia Dinis, a actriz que entra na novela onde ninguém é o que parece estará esta quinta-feira entre as 15h e as 16h à conversa com os fãs da novela no Facebook Oficial da novela.

Jorge Mourato no Gosto Disto

Jorge Mourato integra, a partir desta semana, a equipa do programa de humor da SIC. O actor, com vasta experiência na área da comédia, junta-se a César Mourão, Andreia Rodrigues e aos Homens da Luta todas as noites no ‘Gosto Disto!’. 
Jorge Mourato é um dos mais talentosos comediantes da sua geração, tendo trabalhado em séries como ‘Residencial Tejo’ e ‘Não há Pai’ e em diversos programas como: ‘Noites Marcianas’, ‘Às duas por 3’, ‘SIC 10 Horas’, entre muitos outros.  Em 2011 fez parte do elenco de ‘Laços de Sangue’ e no teatro apresenta também um vasto curriculum: ‘A Fuga’, com Maria Rueff e José Pedro Gomes, ‘Jantar de Idiotas’, com Miguel Guilherme, João Lagarto, entre outros, ou mais recentemente ‘Apanhados na Rede’, papel para onde foi escolhido como substituto de António Feio, pelo próprio, são alguns dos seus trabalhos. 
Mourato já começou a gravar. A primeira personagem será a “tia madalena”.

Rosa Fogo termina em chamas

Tal como o SIC Blogue avançou, as gravações de Rosa Fogo chegaram ao final na semana passada e a imprensa começa a avançar com o final da novela onde ninguém é o que parece. 
Segundo a edição desta semana da TV7Dias, as gravações da novela terminaram com Estêvão a salvar Maria das mãos da vilã Catarina depois de esta ter raptado a bailarina. O incêndio no local onde ela está presa acontece mas o gestor da Forella impede que a história de amor entre os dois acabe.

Miguel Sousa Tavares em Alta Definição

O comentador político estará este sábado em Alta Definição. Miguel Sousa Tavares abre as suas portas e cede uma entrevista a Daniel Oliveira em mais um programa cujo âmbito é mostrar um pouco de si.


Visto por muitos como sendo uma pessoa distante, Miguel Sousa Tavares dá uma entrevista onde o próprio confessa que quis ser padre porque gostava de falar. 
O portuense licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa é o próximo convidado do Alta Definição, para ver neste sábado a seguir ao Primeiro Jornal

Audiências 28 Fev - SIC com 2 programas no TOP

Destaques do dia: 
  • 3.º lugar para o Jornal da Noite em 2.º no horário a ter 11,6% de audiência média e 27,4% de share 
  • 5.º lugar para o Gosto Disto com 10,7% de rating e 26,6% de share 

Total: 
Cabo – 26,4% 
TVI – 26,2% 
SIC – 23,9% 
RTP1 – 19,7% 
RTP2 – 3,7%

Marcelo Rebelo de Sousa esteve no CC (c/ vídeo)

Foi ontem à tarde que o professor de Direito e comentador político esteve nos estúdios da SIC para dar uma entrevista em directo para o programa Curto Circuito da SIC Radical. 
Marcelo Rebelo de Sousa ladeado dos apresentadores do CC e do
mentor do PoliticoEsfera
Com ar descontraído em algum sentido de humor o professor marcou presença na última “PoliticoEsfera” do Curto Circuito apresentado por João Lemos Esteves.
Em tom de brincadeira João Paulo Sousa e Carolina Torres, os apresentadores do Curto Circuito desafiaram Marcelo Rebelo de Sousa a ter uma rubrica no programa.

 

SIC também vai ter jogos do Euro 2012

Apesar de a Sport TV ser o canal oficial do Euro 2012, os canais generalistas vão emitir alguns jogos da Selecção Nacional portuguesa. 

Ucrânia e Polónia irão receber este ano a prova da UEFA

A divisão de meios entre os 4 canais (SIC, Sport TV, RTP e TVI) será fundamental para a zona de operação que decorre tanto na Polónia como na Ucrânia. 
Tendo em conta que mesmo que o canal desportivo transmita todos os jogos, há um conjunto que será dividido entre os canais generalistas.
DN

28 de fevereiro de 2012

Cuidado Com Elas regressou com 651 mil espectadores

A série de humor e apanhados Cuidado com Elas regressou no dia 25 (sábado) aos ecrãs da SIC. A estreia desta segunda série obteve 6.9% de audiência média e 18.5% de share de audiência, tendo sido seguida por 651 mil espectadores. 
Na primeira série, exibida entre Fevereiro e Junho de 2011, Cuidado com Elas obteve um máximo de 11.5% de audiência e 31.4% de share no dia 26 de Fevereiro de 2011, tendo ultrapassado o milhão de espectadores (1088 mil espectadores).
Marktest

Morde & Assopra registou o máximo no dia 23 Fev.

No dia 23, quinta-feira, foi a vez da novela da tarde da SIC, Morde & Assopra, registar o seu valor mais elevado, com 10.3% de audiência média (970 mil espectadores) e 32.4% de share de audiência. A novela estreou no dia 5 de Setembro de 2011 e já vai no seu 114º episódio, tendo já contactado com a novela perto de 7,5 milhões de indivíduos (79.2% do universo). Em média, Morde & Assopra regista 6.8% de audiência e 23.1%
Marktest

Diogo Carmona no elenco jovem de Dancin' Days

Mais um actor jovem que se junta a Dancin’ Days. Diogo Carmona é o nome mais recente que se juntará aos pequenos grandes actores que já eram conhecidos (Henrique Gil e Leonor Vasconcelos). 
É, de resto, o regresso de Diogo Carmona à SIC depois de já ter participado enquanto Tomás Fritzelwalden no sucesso Floribella.
Com estreia marcada para Maio, a novela começa a ser gravada já no mês de Março e será uma vez mais produzida pela SP Televisão.

Audiências 27 Fev - SIC e TVI separadas por menos de 1 pp

Destaques do dia:

  • 3.º lugar para o Jornal da Noite (que tem o comentário de Miguel Sousa Tavares) com 26,5% de share e 11,2% de audiência média 
  • 5.º lugar para o Gosto Disto com 26,6% de share e 10,5% de rating 

Total
Cabo – 26,5%
TVI – 24,2%
SIC – 23,5%
RTP1 – 21,5%
RTP2 – 4,2%

Eixo do Mal e Laços de Sangue sem galardões da SPA

Tanto Eixo do Mal da SIC Notícias como a novela Laços de Sangue da SP Televisão que foi produzida para a SIC não conseguiram arrecadar os Prémios Autores SPA/RTP 2012. Se o Eixo do Mal não conseguiu levar a melhor sobre Câmara Clara e Linha da Frente (que acabou por vencer) já a novela que ganhou o Emmy Internacional não conseguiu ser eleito o melhor programa de ficção em Portugal. Na categoria de melhor programa de ficção a novela Laços de Sangue concorreu com Pai à Força e com O Último a Sair sendo que este último arrecadou o galardão.

Sisley Dias em Dancin' Days

Sisley Dias é mais um nome confirmado em Dancin’ Days. O actor que foi Tiago Nogueira na novela Laços de Sangue está assim de volta à SIC para se juntar ao elenco da nova co-produção da SIC e da TV Globo. 
Sisley numa cena de Laços de Sangue
Segundo o que a avança a imprensa, Sisley Dias será Beto e irá apaixonar-se no desenvolvimento da novela por Mariana interpretado por Joana Santos. 
Recorde-se que tal como Laços de Sangue a produção desta novela terá o carimbo da SP Televisão.

27 de fevereiro de 2012

Audiências 26 Fev - Jornal da Noite no top

Destaque do dia:

  • 5.º lugar para o Jornal da Noite com 26,0% de share e 11,0% de rating 
Total:
TVI – 33,0%
Cabo – 29,1%
SIC – 20,2%
RTP1 – 15,4%
RTP2 – 2,3%

26 de fevereiro de 2012

Pedro Abrunhosa, de convidado a jurado

Estão apresentados os novos jurados da quinta edição do talent show da SIC. Pedro Abrunhosa aceitou fazer parte do júri, mas recusava começar a sua carreira no programa. Pedro Abrunhosa protagonizou um dos momentos mais altos da quarta edição de Ídolos ao cair do palco durante a sua atuação no programa. Porém, isso é algo que dificilmente voltará a acontecer nesta quinta edição, uma vez que irá estar permanentemente sentado no lugar de jurado, um papel que lhe é desconfortável, mas que também acabou por aceitar. 
“Isto é um programa de televisão, é entretenimento puro e eu estou aqui como músico e escritor de canções. 
Obviamente que o papel de jurado é complicado, porque se trata de julgar os outros. Eu nunca fui muito bom a fazê-lo, porque ao julgarmos os outros estamos a julgar mais do que a voz, estamos a julgar os sonhos e isso vai ser difícil para mim. Tenho medo de estar no caminho dos sonhos de muitos”, desabafa.

Produto Interno, hoje na Grande Reportagem SIC

HOJE no Jornal da Noite
Nos últimos 20 anos assistiu-se à redução drástica do número de trabalhadores e empresas. As que sobraram e as que nasceram, entraram num mundo novo: a globalização. 
Com menos gente e mais máquinas, há áreas onde se produz mais. Há novas oportunidades de negócio, há nichos de mercado. "Produto Interno" revela como os diferentes sectores de actividade estão a reagir à austeridade com crescimento e modernidade. 
"Produto Interno" é uma Grande Reportagem da jornalista Fernanda de Oliveira Ribeiro, com imagem de Luís Pinto, edição de imagem de Rui Rocha, grafismo de Cláudia Ganhão, produção de Isabel Mendonça, coordenação de Cândida Pinto e direção de Alcides Vieira.

SIC Blogue entrevista... Cláudia Borges

Nasceu a 9 de Fevereiro de 1983. É modelo, apresentadora e sobretudo mãe. Cláudia Borges, uma das apresentadoras do Fama Show, aceitou o repto lançado pelo SIC Blogue e com o objectivo de comemorar os 4 anos de emissão do programa lançamos mais uma entrevista exclusiva à apresentadora que começou a sua carreira televisiva no Disney Kids. 

Quem é a Cláudia Borges? 
Quem é a Cláudia Borges…uma mulher, com aquele toque de menina. Mãe, esposa, profissional, dedicada em tudo aquilo a que se propõe. Resolvida, pessoalmente realizada, ambiciosa (qb). Não estou feliz, só porque simplesmente, sou feliz!!! 

Considera que vencer o concurso Miss Mundo Portugal em 2001 lhe abriu as portas para a área da apresentação? 
Sim, o Miss Mundo Portugal foi o início de tudo. Se não o tivesse ganho, possivelmente não teria ficado agenciada, e muito menos teria feito o casting para apresentar o Disney Kids

Os portugueses habituaram-se a vê-la no Disney Kids. Acha que já conseguiu distanciar destes tempos?
Não consigo esconder o rosto de menina que ainda tenho. Mas desde que deixei o Disney, que me empenho em distanciar-me do registo Disney. E também já lá vão uns aninhos. 

Ingressa na SIC precisamente com o Disney Kids. Foi uma boa “escola” para fazer aquilo que faz hoje em tv? 
Foi uma escola fantástica. Todos os dias de trabalho, são como que uma aula, por isso, ainda hoje aprendo diariamente. Mas o Disney foi o meu primeiro projecto, e aprendi bastante com ele. Hoje corrijo os "erros" dessa altura. 

Antes da ida para o Fama passa pelo Êxtase e pelo 5 Estrelas. Que memórias guarda desses tempos? 
Há tantas coisas, que não é fácil escolher uma para contar. Talvez o facto de na altura os programas terem uma equipa muito grande, e de todos serem tão diferentes. 

Em Março de 2008 estreou o Fama Show. Como é que surge o convite? 
Com a entrada de uma nova direcção na SIC, foram feitas algumas "remodelações".O "Êxtase" chegou ao fim, assim como o "5estrelas", e o Daniel Oliveira convidou-me para fazer parte de um dos seus novos projectos. 

Líder em todos (ou praticamente todos) os domingos… onde é que está o segredo do sucesso do programa? 
Lá diz o velho ditado "o segredo é a alma do negócio". O facto de todas oferecer-mos o nosso cunho ao programa, o facto de sermos tão diferentes, de cada uma nós completar aquele espaço que tem no programa, pode ser chamado de segredo. Ou simplesmente de empenho profissional. 


Ao longo dos tempos o Fama Show tem vindo a ser remodelado também com as apresentadoras que o fazem. Como é que vê a mudança de apresentadoras uma vez que é uma das caras que está desde o início do programa (a par com a Vanessa Oliveira e com a Rita Andrade)? 
Não vemos as saídas das apresentadoras de uma forma negativa. A Orsi optou por uma nova vida, a Liliana tem outros projectos. Hoje em dia já ninguém se lembra que a Laura e a Andreia não fazem parte do programa desde o início. 

O Fama está a comemorar 4 anos. Qual é o balanço que faz do programa da revista dos famosos? 
Só podia ser positivo. Adoro estar à frente do Fama, com as minhas 4 colegas. 

Há críticos que apelidam o programa como sendo fútil. O que é pensa destes comentários tendo em conta, não só mas também, as audiências? 
É tão fácil criticar os outros… mostrar o lado bonito da vida, não é fútil. Não temos de estar sempre a ouvir falar em guerra, política ou economia. A vida tem outras coisas, e mal de nós se não podermos sonhar um bocadinho. 

Não sente vontade em ter um programa só seu? 
Há 10 anos que trabalho em televisão. Já aprendi muito, mas esse"muito" é muito pouco, comparado com o que ainda tenho e quero aprender. Sou ambiciosa, e apesar de estar feliz no "Fama Show", quero obviamente ter a oportunidade de participar noutros projectos. 

Está na SIC há vários anos. Considera-se uma cara do canal? 
Claro que sim. Nunca conheci outra casa.

Juntem-se à página da apresentadora do
"Fama Show" clicando AQUI




O SIC BLOGUE AGRADECE TODA A DISPONIBILIDADE
DEMONSTRADA PELA CLÁUDIA BORGES

Audiências 25 Fev - Jornal da Noite no segundo posto do horário

Destaques do dia:
  • 3.º lugar para o Jornal da Noite com 24,0% de share e 9,2% de audiência média
  • Regresso de Cuidado com Elas com 6,9% de rating e 18,5% de share 
  • Alta Definição especial com Eusébio com 6,0% de rating e 33,0% de share 
  • Sessão Hollywood (filme Julie e Júlia) com 4,7% de rating e 18,2% de share
Total:
Cabo - 32,4%
TVI - 24,3%
RTP1 - 20,0%
SIC - 19,6%
RTP2 - 3,6%

25 de fevereiro de 2012

"Perfil Televisivo", a nova rubrica do SIC Blogue!

Vários rostos da SIC 'estão' a partir de agora numa batalha para serem os escolhidos pelos leitores do SIC BLOGUE. Numa votação na Barra Lateral do blogue, os leitores podem desde já escolher quem querem que seja eliminado até chegarmos a saber quem é o rosto da SIC que tem um 'perfil televisivo'. Nesta rubrica há um júri que atribui uma pontuação todas as semanas a um rosto da SIC juntamente com as percentagens da votação do público que passam a pontos. A soma dos pontos do júri com a soma da votação do público a um rosto SIC dá um total de pontos a esse mesmo rosto. A partir de agora estão abertas as votações para quem quer que seja eliminado do percurso no 'Perfil Televisivo'!



Estes são os 18 magníficos que vão disputar pelo lugar de 'perfil televisivo'. Durante esta semana, um deles vai ser eliminadoEsta semana temos:

Ângelo Rodrigues VS José Fidalgo

Vote já no seu preferido na barra lateral do SIC BLOGUE!

Soraia Chaves vilã em Dancin Days

Depois de ter recebido os maiores elogios pela sua participação em “Rosa Fogo”, no papel de Joana, Soraia Chaves já está a ensaiar para o remake de “Dancin’ Days”. 
Soraia Chaves também participou em Rosa Fogo
Na próxima novela da SIC, a atriz, que tem desenvolvido o seu trabalho sobretudo na área do cinema, vai dar vida a Luísa, a vilã da história e grande rival de Júlia (Joana Santos). As duas vão disputar o amor de Marisa, a filha adolescente de Júlia. Na versão original, o papel esteve a cargo de Joana Fomm.

Estamos Juntos: "Ídolos" de volta à estação



Seja bem-vindo ao Estamos Juntos!

E o próximo ídolo de Portugal é... já foram Nuno Norte, Sérgio Lucas, Filipe Pinto e Sandra Pereira e agora podes ser tu. O Ídolos está de volta à SIC e não vai deixar ninguém de fora.


Os apresentadores já são conhecidos do grande público: Claúdia Vieira e João Manzarra. Ela já deu o rosto em projectos de sucesso da SIC, como: A Vida Privada de Salazar, Podia Acabar o Mundo, Ídolos e Rosa Fogo. Ele cresceu na SIC, foi escolhido como o vencedor do CC Casting e desde aí nunca mais parou. Apresentou programas como o Sic ao Vivo, TGV, Ídolos, Achas que Sabes Dançar e Chamar a Música.

O júri alterou-se. Ao jurado de 'peso' Manuel Moura dos Santos temos ainda para o acompanhar a carismática Bárbara Guimarães, o romântico cantor Tony Carreira e o cantor e compositor Pedro Abrunhosa. 

Manuel Moura dos Santos é o único jurado que continua desde o início do programa. É ele o mais temido de todos os jurados pelos concorrentes do programa.

Depois de apresentar programas como o Portugal tem Talento e o Peso Pesado, a apresentadora da SIC Bárbara Guimarães encara um novo desafio: ser jurada de um dos melhores programas da estação. 

O cantor português romântico Tony Carreira vai também ocupar um lugar como jurado do Ídolos. Durante as audições, terá ele 'sonhos de menino'?

Eu acho que ele já esteve no Ídolos... e continuo a achar. Já esteve mesmo. Pedro Abrunhosa acompanhou os finalistas da 3ª edição do Ídolos (Filipe Pinto e Diana Piedade) ao piano e até...caiu. Ele está de volta a este programa como jurado.

O Ídolos é mesmo um grande formato. No primeiro dia de audições contou com mais de 3000 candidatos. Não te esqueças que ainda te podes inscrever neste programa. Se tens entre 16 e 28 anos e sabes cantar, envia uma mensagem (SMS) com Idolos (espaço) seguido de nome, idade, localidade e profissão para 68327 (custo por SMS 1). O próximo casting é em Braga, dia 3 de Março no Parque de Exposições.

Começa dia 25 de Março a busca para o novo Ídolo de Portugal.
Quanto a mim, volto no próxima semana com mais um Estamos Juntos no SIC BLOGUE!

Ricardo Carriço escalado para Dancin' Days

“Não falta muito para voltar ao ecrã”. É assim que Ricardo Carriço aborda o facto de vir a ser uma das caras da próxima novela do canal. O actor que está afastado da televisão desde o final de Laços de Sangue está escalado para Dancin’ Days, o remake da novela brasileira que começa a ser produzida pela SP Televisão já a partir do próximo mês de Março. 
Até lá Ricardo aproveita para se dedicar a projector pessoais até porque nesta altura “tenho tempo para mim e para estar em casa” o que com as gravações se torna “difícil” revela o actor.

Audiências 24 Fev - Morde e Assopra sobe ao 5.º lugar

Destaques do dia: 
  • 4.º lugar para o Jornal da Noite com 10,3% de rating e 26,6% de share 
  • 5.º lugar para a novela Morde e Assopra a subir com 10,3% de rating e 32,4% de share 
Total: 
Cabo – 27,5% 
TVI – 24,2% 
SIC – 22,9% 
RTP1 – 21,9% 
RTP2 – 3,5%

Redacção da SIC recusa perder subsídios de Janeiro

Depois de se saber que os trabalhadores do canal iriam ficar sem o subsídio de alimentação e que este seria substituído por senhas de refeições, o Correio da Manhã avança na sua edição online que alguns funcionários do canal enviarem emails para os recursos humanos a informar que não dão o consentimento para que o subsídio de refeição pago em Janeiro possa agora ser-lhes retirado e substituído por senhas de refeição.

Joana Figueira em Dancin' Days

A pouco e pouco a imprensa vai desvendando alguns nomes da própria produção da SIC que já está em testes. Joana Figueira é a mais recente aquisição do remake de Dancin’ Days. 
A informação é a avançada pela revista TV Guia desta semana que refere que a actriz está de volta à televisão depois de ter vestido a pele de Lurdes numa novela da TVI.

Audiências melhores que o esperado - Luís Marques

As audiências da SIC "estão melhor do que aquilo que estava à espera". A revelação é de Luís Marques, director-geral do canal, que considera que a estação está "muito competitiva em termos comerciais". "Isso deixa-me satisfeito", adianta, já que como consequência da crise a SIC apresenta um "grelha poupadinha". 
Luís Marques diz ainda que olha para a concorrência mas não se preocupa com o que TVI e RTP estão a fazer. "A minha preocupação é ter a SIC bem gerida, mas também competitiva, e apesar das dificuldades que temos tido devido à crise, a SIC tem feito um percurso seguro e vamos continuar nesse trilho. Estamos, neste momento, de forma constante, com uma diferença pequena em relação ao líder. E isso é bom", sublinha. 
Sobre o actual estado do sector da comunicação, deixa um alerta: "Os media são importantes para manter a coesão social, a auto-estima dos portugueses. Não se pode brincar com um sector como este. É demasiado importante para que se cometam erros".
CM

24 de fevereiro de 2012

António José Teixeira em entrevista

Chegou à SIC Notícias no final de 2007, vindo do universo dos jornais. Foi uma transição fácil?
Foi pacífica e razoavelmente fácil. Não era um estranho nesta casa, tinha acompanhado a SIC Notícias desde o seu primeiro dia, sentei-me aqui no primeiro dia de emissões, fui comentador desde o primeiro dia e conhecia o mais importante da casa. Quando cheguei a boa recepção foi um facto. 
Que balanço faz de mais de quatro anos em Carnaxide? 
Foi um período positivo para o canal. Foi possível crescer, consolidar a nossa oferta e foi positivo para mim, no sentido em que tive o orgulho e a oportunidade de me integrar numa equipa valiosa. Positivo também, no sentido em que fiz a minha aprendizagem, sendo que este é um canal de notícias, onde se faz jornalismo e obviamente já faço jornalismo há alguns anos. Tem sido um caminho muito interessante 
Hoje é um homem da televisão? 
Sou um jornalista, primeiro que tudo. E um jornalista que teve o privilégio de experimentar todos os media. Comecei na rádio, estive bastante tempo nos jornais. Hoje sou um jornalista mais completo. 
Actualmente tem presença regular em antena, com as entrevistas de Portugal 2012. Está a preparar outro tipo de projecto? 
É provável que esse espaço possa evoluir para algo diferente, mas para já estamos a fazer essa caminhada. Não nasceu necessariamente por querer ter um espaço no canal, a minha principal responsabilidade não é essa e não é nisso que empenho a maioria do tempo que tenho. O meu trabalho é sobretudo de acompanhamento e orientação permanente da emissão. Portanto, não é essa a minha primeira prioridade. Embora, como disse há pouco, sou jornalista, e obviamente que me dá gozo exercitar a função e a entrevista é um género de que gosto particularmente. 
A SIC Notícias continua a ser o canal líder de audiências no cabo. A que se devem estes resultados? 
A um trabalho pioneiro que foi feito ao longo dos anos e que começou a ser líder desde o primeiro dia. Preencheu um espaço que não existia em Portugal. Julgo que o fez com ousadia, rasgando caminhos novos. O nosso trabalho é consolidar os nossos resultados pensando sempre que eles não são um dado adquirido. Este é um trabalho diário, em que se ganha e perde todos os dias e é preciso fazê-lo com humildade e responsabilidade. Nós nunca nos inebriamos com esses resultados e eles todos os dias estão em causa. Todos os dias são uma nova batalha. Estes são 11 anos em que julgamos ter ajudado a mudar o ritmo da informação em Portugal e de responsabilidade, no sentido de pensar que os próximos tempos não serão fáceis e que temos de estar à altura de manter a liderança e, mais do que tudo, manter uma atitude de independência, de liberdade e ter o sentido do que é notícia, do que deve ser aprofundado, comentado. Não perder esse Norte. 
É possível continuar a crescer? 
Estamos numa fase da vida do País em que ouvimos dizer, e é verdade, que temos de mudar de vida. Estamos numa fase que porventura nos vai conduzir a novas atitudes, outros comportamentos. E tudo isso vai influenciar o modo como vivemos, como comunicamos, porventura também como consumimos televisão. Podemos estar numa fase de transição para algo diferente. 
Mas a SIC Notícias vai mudar de vida? 
Nós todos vamos mudar de vida e a SIC Notícias tem de estar atenta a mudanças que surjam, porque hoje há menos dinheiro, porque se investe menos, há novos comportamentos, novas atitudes perante a vida, haverá novos escapes, porventura consumir-se-á mais televisão. Temos de estar atentos a isso. Se me pergunta o que vai mudar, porventura nenhum de nós saberá com rigor dizer. Se vamos consumir mais séries que informação? Não sabemos. Em qualquer caso, julgo que não é vantajoso pensarmos demasiado nisso. Importante é não perdermos o Norte e o nosso Norte é a informação. O futuro da SIC Notícias não é passar séries, filmes ou jogos de futebol. O futuro e a espinha dorsal passará sempre pela independência e pela capacidade de resposta que tivermos à actualidade. Por ir mais longe, por inovar e é por aí que vamos ser testados. A verdade é que temos de nos renovar todos os anos, procurar outros caminhos e não esquecer que a nossa marca de água é a independência e a capacidade de ataque à actualidade. O segredo da SIC Notícias passa por aí. 
A internacionalização é o caminho da SIC Noticias? 
É muito importante. Muita gente não tem a noção do que já valemos lá fora. Em Angola, por exemplo, temos 200 mil subscritores e isso diz muito do impacto que o canal tem. Estamos atentos aos mercados internacionais e com vontade de alargar a nossa presença. 
Ser uma CNN da informação televisiva em língua portuguesa é o objectivo? 
Esse é um bom objectivo, obviamente que requer não apenas a vontade, a ambição mas também ter realismo de pensar até que ponto…convém dizer que o país mais forte em língua portuguesa chama-se Brasil embora nos tenhamos também uma palavra a dizer nesse mercado, mas não é fácil, como sabemos, penetrar no Brasil. O nosso sonho passa também por ter uma dimensão internacional. 
Qual a meta definida para este ano? 
A de sempre. Queremos continuar a liderar a informação em Portugal. Canais como AXN, Hollywood, FOX ou Panda podem pôr em causa esta liderança? 
Vamos tentar continuar a liderar os canais do cabo, nomeadamente ficar acima do consumo dos canais de filmes, séries, infantis…Não depende inteiramente de nós, mas temos essa ambição e vamos lutar por isso. 
E que análise faz da concorrência, RTP Informação e TVI 24? 
Não gosto muito de falar da concorrência, gosto de dizer que a respeito e que, obviamente, estou atento ao que fazem. Não escondo que a minha preocupação, e é de sempre, tem mais a ver com um cenário de concorrência desleal da RTP. Não parece haver justificação para que um canal seja financiado com dinheiros públicos, da publicidade e das subscrições. Isso é concorrência desleal, porque nós somos aquilo que merecemos da parte do público, vem da publicidade e da subscrição do canal, não nos parece correcto que o Estado acrescente também dinheiro dos contribuintes, o nosso dinheiro, para um cenário de concorrência. Ainda por cima quando estamos a falar de réplicas, e não de um trabalho diferente, original, que preencha algum espaço que não esteja preenchido… 
Está a dizer que a RTP Informação é uma réplica da SIC Notícias? 
Estou a falar em geral. Até hoje os canais de informação que surgiram são réplicas da SIC Notícias. Isso nem sequer tem grande discussão. Agora que os privados queiram fazer o que quiserem? Estão no seu pleno direito e respeito isso. Não tenho nada a dizer. Que o Estado com o nosso dinheiro esteja a fazer concorrência desleal? Isso preocupa-me. Não me parece que o papel do Estado seja fazer concorrência aos privados. Acho um profundo erro. Teme que com a TDT, a RTP Informação possa ser colocada em sinal aberto? O Estado não existe para fazer concorrência aos privados. O Estado existe, no caso da televisão, para preencher lacunas que os privados não resolvem. Porque é que os canais públicos têm de ser canais comerciais? Não percebo. Se tirassem a publicidade à RTP Informação, concordaria que ele fosse colocado na TDT para estar disponível a todos os portugueses, já que é pago pelos contribuintes? 
Com que objectivo? A dúvida que fica é se isso vier a ser feito, é com que objectivo? 
Aumentar a oferta televisiva, por exemplo… 
A oferta não existe? Não é suficiente? Não está preenchida? 
Estou a falar em sinal aberto, para toda a população. Nem toda a população tem acesso aos canais por cabo… Certo, mas veja a situação, às vezes estranha, no mínimo. À mesma hora temos vários canais públicos a dar telejornais no ar. Qual é o sentido disso? Para quê? Porque é que devemos ter tantos canais a fazer a mesma coisa? Depreendo pelas suas palavras que considera que a RTP Informação deveria desaparecer… Não, o que deve depreender das minhas palavras é que o Estado deve ser mais escrupuloso a gastar o dinheiro público. Para já, o Estado não deve ter um papel relevante na comunicação social. Vivemos numa sociedade democrática, em que na imprensa, rádio e televisão há muitos projectos, a oferta é larga, não estamos com défice de oferta. Para a dimensão do nosso mercado há porventura quem pense e com razão que este é um mercado bastante limitado para tanta oferta. Mas pronto. A livre concorrência é isso que tem gerado. A questão que se coloca é o que o Estado deve fazer na comunicação? Deve ter um papel relevante? Julgo que não deve. Deve ter um papel de preencher os espaços que não são preenchidos pela oferta televisiva que os privados dêem. Agora, que tenha a tentação de achar que a verdade a que temos direito tem de ser assegurada por canais do Estado não é muito saudável e já lá vai o tempo. Acho que não devemos cair nessas tentações, são pouco democráticas. 
Volto a perguntar, o que deveria acontecer à RTP Informação? 
Não sei, não tenho responsabilidades nem quero ter… Não concorda com o modelo actual… Não tenho de concordar, não concordo é com o financiamento e com o dinheiro gasto. Se me pergunta qual deve ser o modelo não tenho nenhuma palavra sobre isso. Respeito quem orienta os canais. Constato é que alguém está a usar dinheiro público para fazer concorrência desleal. E isso para mim é evidente, óbvio e constatável. E se me dissessem que era para fazer alguma coisa que os privados não fizessem eu perceberia, mas como não é…parece-me que o Estado gere mal o seu dinheiro. E é só isso. Parece-me que as regras do jogo são desajustadas do momento histórico em que vivemos e elas são perturbadoras. 
RTP Informação e TVI24 fizeram mudanças recentemente. Como viu estas alterações? 
Com respeito e atenção, apenas. Mas não tem opinião? Tenho, mas não gosto de me pronunciar sobre aquilo que os canais concorrentes estão a fazer. A minha preocupação é que as regras do jogo sejam claras. A TVI 24 está a fazer o seu caminho, não tenho nada a dizer. Legitimamente, está no mercado como nós. 
No cabo não é só a SIC Notícias que cresce e o conjunto de canais está a ganhar mercado aos generalistas. Esta tendência vai continuar? 
Os canais generalistas continuam fortes, apesar do crescimento do cabo. A tendência para a fragmentação e pulverização das audiências é um dado adquirido. O tipo de consumo está a mudar cada vez mais. Os generalistas continuam fortes e a ideia de que eles estão ameaçados é exagerada, devemos estar atentos a projectos mais de nicho, cada vez mais segmentados, cada vez mais formatados para satisfazerem um público alvo preciso. Essa tendência julgo que vai continuar e vamos ter um consumo de televisão cada vez mais fragmentado. 
Diz que os generalistas não estão ameaçados, mas poderão ficar com a entrada de mais um player no mercado, com a privatização da RTP? 
Sabemos pouco sobre isso. Nesta altura, aquilo que se esperaria do operador público era que tivesse mais cuidado com o gasto do dinheiro dos contribuintes, que a preocupação fosse reduzir a despesa que é feita e isso deveria envolver obviamente a empresa no seu conjunto. E não estou afalar de nenhum canal em particular. Em temos gerais, diria que a oferta televisiva do Estado deveria ser reduzida. É manifestamente preocupação permanente dos Governos preencherem todas as plataformas possíveis com canais públicos. Parece-me exagerado. O que fazia sentido fazer em relação à RTP era ser mais cuidadoso com os gastos dos dinheiros públicos e reflectir sobre se aquilo que seria ou não mais importante nesta altura seria fechar alguns desses canais e isso é que me parecia sensato. 
A RTP entre rádios e televisões tem 17 canais. Parece-lhe exagerado? 
Manifestamente. Só dizer o número… acho que já nem merece comentar. A preocupação do Estado de estar em tudo e em todo o lado… lembro-me sempre de uma coisa antiga. Quando surgiu o movimento das rádios locais, das rádios piratas, a primeira reacção que o Estado teve foi começara a abrir rádios locais no operador público. Assistimos à rádio Viseu, Guarda, Castelo Branco…houve uma preocupação de preencher o espaço todo, com receio do que aí pudesse advir. Essa atitude parece-me errada. Obviamente que deu mau resultado. Não foi um bom exemplo e não é um bom exemplo ter 15 ou 16 canais públicos. É um mau exemplo, é um mau uso de dinheiros públicos. Se estivéssemos numa situação em que não havia oferta privada, que o Estado tinha de ter essa despesa, ok, podia fazer sentido, mas não é o caso, temos 200 canais de televisão. 
O Estado deveria sair da rádio e televisão, como o fez dos jornais, ou ter uma presença mais residual? 
Deveria ter uma presença mais residual. Não defendo a extinção pura e simples do serviço público. Acho que os privados fazem serviço público, que o serviço público é contractualizavel com privados, acho que a dimensão do serviço público deve ser minimal e deve estar preocupado com o que os privados não asseguram. O Estado, se tem alguma justificação para estar nos media, e tem pouca, em termos de princípios, a justificação que resta é preencher espaços que não são assegurados. De qualquer forma deve ser reduzido ao mínimo. Muito mais reduzido. 
A crise económica também levou a um plano de redução de pessoal (40 pessoas no grupo). Como é que isso afectou o dia-a-dia da SIC Notícias? 
Temos feito um esforço grande de racionalização e de ajustamento da nossa oferta, das nossas despesas em relação ao que é o mercado e ao que ele nos oferece. Isso tem sido feito com muito cuidado, felizmente tem sido feito atempadamente e não a reboque dos acontecimentos. Se pergunta se isso condicionou o nosso trabalho, obviamente que é um constrangimento. Mas o nosso desafio permanente é pensar que temos de trabalhar com os meios que o mercado nos oferece. 
A equipa é curta para o trabalho que tem? 
É curta para aquilo que gostaria de fazer. O que temos feito é fazer das tripas coração para não falhar a resposta à actualidade, não desproteger a nossa oferta. Temos feito com muito esforço, com sacrifício, com o empenhamento de uma equipa habituada a não navegar em águas muito confortáveis. 
Gostaria de ter uma equipa mais substancial? 
Quem não gostaria… 
Esta crise também implicou reduções salariais. (Balsemão pediu corte de 10% a salários acima de 5 mil em Julho do ano passado). O que sentiu quando lhe cortaram o vencimento? 
Quando estamos empenhados num trabalho e conhecemos os dados do mercado, da situação económica, percebemos isso bem. Obviamente que ninguém gosta que essas medidas sejam aplicadas, mas também devemos ter o realismo de pensar que a autonomia do nosso projecto, a liberdade e independência que gozamos depende, em boa verdade, do equilíbrio das finanças da empresa. Não há empresas livres e jornalismo livre sem empresas equilibradas e os jornalistas, muitas vezes ao longo da sua carreira profissional, percebem isso muito bem. E todos nos percebemos que na Impresa, na SIC, sem uma empresa suficientemente equilibrada não podemos ser livres e independentes no nosso trabalho. 
Uma das polémicas que marcou a SIC foi a atribuição de subsídios de apresentação a alguns pivôs, deixando de fora a grande parte dos jornalistas que apresentam os espaços de informação da SIC Notícias. Como está a situação? 
Não costumamos partilhar a nossa gestão interna de forma pública. Os problemas que temos para resolver tentamos resolve-los em diálogo com as pessoas. Estamos conscientes de alguns desequilíbrios que possam existir e na medida do possível vamos tentando corrigi-los, mas essa não é uma matéria sobre a qual me pronuncie. 
Mas na altura, concordou com a atribuição destes subsídios? 
Não vou responder. Outra das polémicas que envolvem a Impresa é a guerra com a Ongoing. Como encara as acusações da Ongoing de que Francisco Pinto Balsemão utilizou os meios do grupo para atacar a estrutura de Nuno Vasconcellos, nomeadamente Jorge Silva Carvalho? Respondo com duas constatações. Primeiro, o que muitas vezes tem sido lido como um conflito entre dois grupos empresariais tem tido o pretexto de que muitas das notícias publicadas por órgãos deste grupo têm a ver com isso. Eu refuto da forma mais veemente essa constatação. É fácil ler as notícias e perceber que elas diziam respeito a casos concretos da vida portuguesa, da vida politica, económica. Todos eles foram tratados por toda a comunicação social, não apenas por órgãos do grupo impresa, e têm merecido atenção até de outros órgãos e instituições do País. A segunda constatação é que os conflitos de que tenho conhecimento foram colocados pelo grupo Ongoing em tribunal relativamente ao grupo Impresa. 
Nunca recebeu nenhuma indicação do grupo, da administração, do dr. Balsemão, no sentido de que a Ongoing era um alvo a abater ou uma empresa a investigar? 
Era impensável que isso pudesse acontecer. As pessoas que conhecem o dr. Balsemão sabem que isso era impensável. Isso era impensável também para quem me conhece. 
Qual o papel de Francisco Pinto Balsemão na linha editorial da SIC Notícias? 
É um empresário, o accionista maioritário, este grupo tem preocupações de gestão permanente e de acompanhamento permanente. É essa a sua principal missão. É evidente que Francisco Pinto Balsemão foi e é jornalista, gosta de conversar sobre o País e o mundo e fá-lo com naturalidade. Mas não é um director editorial, não é um editor em funções. Tem a inteligência e o discernimento para perceber que não é esse o seu papel. Se pergunta se conversámos muitas vezes sobre actualidade? Sim, conversámos com regularidade. 
São públicas as reuniões que ele mantém com as direcções editoriais… 
Ele mantém reuniões permanentes com a estrutura de todas as empresas, ele gosta de estar próxima das pessoas. 
As reuniões semanais com o patrão são vantajosas? 
São reuniões em que conhecemos melhor a realidade do grupo, do mercado, aquilo que se vai fazendo um pouco pelo mundo, estar mais a par de tudo que é inovação, de discussões em torno do futuro dos media, da televisão, são sempre reuniões muito enriquecedoras. 
Não influenciam depois a agenda da semana? 
Não. A nossa agenda é suficientemente óbvia, no sentido em que a nossa preocupação é não perder pitada do que acontece e ter também a ambição de ir mais longe e ter notícias próprias, mas isso é o nosso trabalho não o do dr. Balsemão.
E o tema da Ongoing nunca foi tratado nessas reuniões? 
Conversamos sobre tudo, não temos tabus nas nossas conversas e isso é uma das coisas agradáveis. Portanto, quando digo que conversamos sobre tudo, conversamos sobre tudo. 
Nomeadamente sobre as manchetes do ‘Expresso’, da ‘Visão’… 
É tudo. Tudo pode fazer parte. Futebol, política, nacional, internacional. Sobre realidade do mercado, números, um estudo. São reuniões sobre tudo, mas não substituem a nossa reunião diária de planeamento, de edição… 

Perfil 
António José Teixeira, 50 anos, começou a sua carreira na década de 70, na Rádio Altitude da Guarda. Ainda aí, foi correspondente da ‘Gazeta dos Desportos’. Em Lisboa, onde se licenciou em Comunicação Social, na Universidade Nova, passou pela Rádio Comercial, TSF, ‘Diário de Lisboa’, ‘Diário de Notícias’, onde foi director, e ‘Jornal de Notícias’. No início de 2008, António José Teixeira, casado e pai de dois filhos, assume a direcção da SIC Notícias.

Braga e Lisboa são os locais de casting do Ídolos que se seguem

Ainda na semana passada o casting do Ídolos começou na cidade do Porto e é já no dia 4 e 5 de Março que chega a Braga (tal como o SIC Blogue já havia avançado) para mais 2 dias de casting que prometem revelar mais alguns talentos da música que andam escondidos. 

Depois de Braga segue-se Lisboa a 10 e 11 de Março. É muita a adesão dos jovens portugueses e por isso mesmo o canal está a equacionar estender a lista de casting a outras cidades de Portugal.
Queres ser o próximo Ídolo de Portugal? 
Envia uma mensagem ( SMS) com Idolos (espaço) seguido de nome, idade, localidade e profissão para 68327 (custo por SMS 1€). 
A grande festa do Ídolos está de volta à SIC e espera por ti! Se tens entre 16 e 28 anos inscreve-te já! 
O próximo Ídolo podes ser tu. Segue todas as novidades sobre o Ídolos também em http://www.facebook.com/idolos.sic

Fama Show faz hoje 4 anos que começou a ser emitido!

Lançado na ‘era’ Nuno Santos, o Fama Show é o programa que pretende mostrar desde o dia 24 de Fevereiro de 2008 o lado bom da vida dos famosos. 
Orsi Fehér, Liliana Campos, Rita Andrade, Vanessa Oliveira e Cláudia Borges. Eram estas as 5 beldades que iniciavam o novo projecto. Um projecto que conta inclusivamente com um CD lançado no ano de 2008 com as músicas escolhidas pelas apresentadoras e um CD que conta os segredos das próprias. 
Ao longo do tempo foram entrando e saindo apresentadoras e actualmente temos Rita Andrade, Cláudia Borges, Vanessa Oliveira, Andreia Rodrigues e Laura Figueiredo à frente do programa. 
Líder desde o primeiro momento, o Fama Show tem vindo a sofrer alterações que o público gosta, alterações que não modificam as audiências uma vez que consegue bater a concorrência desde o dia 24 de Fevereiro de 2008. Com mais de 200 programas nos arquivos, o Fama Show está para durar até porque o público vê e é soberano!

Perdidos e Achados recorda a série "Uma Aventura"

Amanhã no Jornal da Noite
Em Outubro de 2000 foi emitido o primeiro episódio da série juvenil da SIC '’Uma Aventura’'.
As 'estórias', baseadas nos livros de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, eram vividas por um grupo de cinco aventureiros. 
Mafalda e Filipa Mendes foram as gémeas que vestiram a pele de ''Luísa'' e ''Teresa'', nas primeiras duas temporadas, gravadas em 2000 e 2002. 
Alexandre Personne já tinha alguma experiência como ator quando fez de ''Chico'' na segunda série. 
Para João Albino Marta, que também entrou na segunda temporada como ''Pedro'', a série ''Uma Aventura'' foi a sua estreia no mundo do espetáculo. 
Salvador Nery era o mais novo desse elenco e fazia de ''João''. Tinha apenas 11 anos mas já fazia televisão desde os nove. No 'Perdidos e Achados' desta semana, fomos à procura de alguns dos atores que participaram na série. O que será feito deste grupo de jovens? 
Jornalista: Patrícia Mouzinho 
Imagem: Franco Santos 
Edição: Ricardo Santana 
Produção: Diana Matias e Madalena Durão 
Coordenação: Sofia Pinto Coelho 
Direcção: Alcides Vieira

Manuel Luís Goucha "A SIC não me convidou para nada"

Apesar da imprensa o dar como a caminho de Carnaxide é o próprio apresentador quem o desmente. “A SIC não me convidou para nada” começa por revelar Manuel Luís Goucha, actualmente a trabalhar na TVI depois de ter passado antes pela RTP. 
O apresentador que faz concorrência a Júlia Pinheiro nas manhãs da televisão apenas refere que “a única coisa que aconteceu entre mim [MLG], a Cristina Ferreira, Júlia Pinheiro e a Gabriela Sobral” foi um almoço que “não teve nada a ver com trabalho”. Recorde-se que os quatro trabalharam juntos enquanto estavam na TVI.

Canal pode não emitir X-Factor em 2012

Emitir um novo formato de entretenimento é uma vontade clara da direção do canal de Carnaxide, mas que poderá não se concretizar ainda este ano. De acordo com Luís Marques, um novo talentshow ou realityshownão deverá chegar à antena da estação nos próximos meses. 
“Estas coisas dependem de como evoluir a economia do País e a publicidade. Estamos todos dependentes disso. Se o mercado publicitário não evoluir, não sei o que vamos fazer”, confessou o diretor-geral. 
Em cima da mesa estão o programa de caça-talentos X factor e um reality show – que poderá ser Love Lab ou Tempted, e cujos direitos para Portugal pertencem à Fremantle, a mesma produtora de Ídolos e Peso Pesado. “Se tudo correr bem, podemos fazer um grande formato já em setembro, se correr mal, não sei... nem eu sei nem sabe ninguém. A nossa opção será sempre entre mais um talent show ou um reality show. Mas lá está: se o mercado publicitário correr mal, como infelizmente os primeiros indícios estão a revelar... não sei o que poderemos fazer”, desabafou Luís Marques. 
O regresso de Ídolos é, aliás, uma aposta da SIC na segurança e reflexo da necessária contenção de custos. “Ponderámos se deveríamos avançar com X-factor ou com este programa. É verdade que entre os dois o Ídolos é relativamente mais barato, mas esse não foi o critério. Este formato já tem uma marca, que é suficientemente forte para aguentar melhor do que X Factor nesta fase”, explicou o diretor-geral. 
Recorde-se que a quinta edição do concurso apresentado por Cláudia Vieira e João Manzarra e com Tony Carreira, Pedro Abrunhosa, Bárbara Guimarães e Manuel Moura dos Santos como jurados tem estreia marcada para 25 de março, altura em que a concorrente TVI deverá arrancar com a segunda edição de Atua Cara não me é estranha, líder de audiências nas noites de domingo. “Esta edição de Ídolos representa o mesmo investimento que as anteriores. Claro que é um investimento alto. O Ídolos é caro em relação a outros programas, mas não houve alteração relativamente ao preço das outras edições.” 
Em conversa com a NTV, Luís Marques referiu ainda que também não deverá ser em 2012 que a SIC vai passar a transmitir duas novelas nacionais em horário nobre. Ainda assim, o diretor-geral congratula-se com o arranque do remake português do sucesso brasileiro Dancin’ Days, feito em parceria com a TV Globo. “A novela estreia-se em maio e acho que vai ser uma grande aposta da estação no campo da ficção. No entanto, também aqui acho que não vai ser fácil ter este ano duas novelas em prime time. Há pouco dinheiro para isso”, concluiu Luís Marques.

Audiências 23 Fev - Liga Euopa no topo do TOP

Destaque do dia:
1.º lugar para o jogo da Liga Europa (Sporting X Legia Varsóvia) a ser o mais visto do dia com 17,1% de rating e 38,8% de share 

Total:
Cabo – 25,8%
SIC – 25,3%
TVI – 24,9%
RTP1 – 20,8%
RTP2 – 3,2%